VOLTAR À PÁGINA INICIAL

Museu Fotográfico de Olhão

Olhão: vista aérea em data incerta, por volta de 1926 (data da inauguração da Av. Bernardino da Silva, visível nesta fotografia embora com poucos edifícios).

Vê-se o sapal do Moinho do Levante e o actual local do Jardim Patrão Joaquim Lopes ainda cobertos de mar.

Vista Aérea de Olhão
Vista aérea de Olhão em 1930.

(Fonte: Cativo, Luciano Victor - Ainda Olhão e a indústria de conservas de peixe - 1ª Ed., Câmara Municipal de Olhão, Out. 2001)

VistaAérea.jpg (42537 bytes)
Moinho do Levante, entre a actual zona ocupada pelo Grupo Naval de Olhão e o Pingo Doce.
Olhão: estaleiros de construção naval, já desaparecidos, junto ao Moinho do Levante, dos irmãos e mestres José e António da Graça, nos finais do séc.XIX. Estes estaleiros foram transferidos da actual Av. 5 de Outubro para esta zona em 1857.

(Fonte: Iria, Alberto - Caíques do Algarve no sul de Angola - Instituto Hidrográfico, Lisboa, 1971)

MoinhoDoLevante.jpg (164710 bytes)
O mesmo estaleiro do José e António da Graça.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Estaleiros.jpg (85774 bytes)
Sapal do Moinho do Levante, provavelmente na década de 1960, quando já não entrava água, e onde foi construído na década de 1980 o actual supermercado Pingo Doce.

(Fonte: Villares, João - Olhão e Abílio Gouveia, o homem o historiador o olhanense - Câmara Municipal de Olhão, 1994)

SapalPingoDoce.jpg (87699 bytes)
Olhão: estaleiros de construção naval, já desaparecidos, de mestre Bento, contíguos ao dos mestres e irmãos José e António Graça, na Banda do Levante, no final do séc.XIX.

(Fonte: Iria, Alberto - Caíques do Algarve no sul de Angola - Instituto Hidrográfico, Lisboa, 1971)

Levante.jpg (74710 bytes)
Olhão: estaleiros de construção naval, já desaparecidos, de mestre João da Carma, na chamada Banda da Barreta ou do Ponente, com caíques ancorados em frente e, em último plano, à esquerda, o velho barco da lota, com telheiro, nos finais do séc.XIX.

(Fonte: Iria, Alberto - Caíques do Algarve no sul de Angola - Instituto Hidrográfico, Lisboa, 1971)

EstaleiroBarreta.jpg (187795 bytes)
Tubarão caçado em 1902, e seguidamente exposto na actual Av. 5 de Outubro, provavelmente em frente à actual Doca's Pizza. Embora o postal tenha a informação que seria uma baleia, a análise do animal não deixa margem para dúvidas: era um tubarão, provavelmente um tubarão-frade, espécie que abunda no Atlântico Norte, é por vezes avistado nas nossas costas, e pode atingir dimensões consideráveis como foi o caso deste exemplar.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Baleia.jpg (32655 bytes)
Outra fotografia com o mesmo tubarão.
Vista da actual Av. 5 de Outubro em 1908 (antes da construção dos Mercados, em 1912).

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Caíque2.jpg (25279 bytes)
Ampliação da imagem anterior.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Caíque1.jpg (81592 bytes)
Descarga de peixe na Rampa do Caduca (provavelmente junto ao actual "T"), nos anos de 1920.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

DescargaGNO.jpg (105551 bytes)
Outra vez, a Rampa do Caduca?

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Lota1.jpg (130489 bytes)
Descarga do peixe.

(Foto apresentava carimbo referindo "Secção de Finanças de Lisboa - 3º Bairro, 7 de Janeiro de 1954, Imposto de selo, nº 2448")

Lota.jpg (302766 bytes)
Lota de Olhão, actualmente o "T". Antes a lota era uma barca coberta, fundeada na ria.

(Fonte: Cativo, Luciano Victor - Ainda Olhão e a indústria de conservas de peixe - 1ª Ed., Câmara Municipal de Olhão, Out. 2001)

Lota2.jpg (86727 bytes)
Galeões atracados à doca.

(Fonte: Cativo, Luciano Victor - Ainda Olhão e a indústria de conservas de peixe - 1ª Ed., Câmara Municipal de Olhão, Out. 2001)

T.jpg (93362 bytes)
Galeão "Estrela do Sul" nos anos de 1950?

(Foto cedida pelo sr. José Francisco Bruno)

Galeão.jpg (59418 bytes)
Moinho do Sobrado, foi estaleiro e actualmente é o local do Grupo Naval de Olhão.

(Fonte: Barbosa, José - Visto e ouvido... em Olhão... reflexões - Câmara Municipal de Olhão, 1993).

Moinho do Sobrado.jpg (79084 bytes)
O descabeçar de peixe numa fábrica de conservas em 1920-30.

(Fonte: Cativo, Luciano Victor - Ainda Olhão e a indústria de conservas de peixe - 1ª Ed., Câmara Municipal de Olhão, Out. 2001)

FábricaInterior.jpg (98550 bytes)
Fábrica do Fialho, perto da Praia do Pedro Zé (actuais estaleiros da zona industrial de Olhão).

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

FábricaFialho.jpg (91360 bytes)
Banda do Levante: na zona da Praia do Pedro Zé?

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Ponente.jpg (111074 bytes)
Barcos de pesca em Olhão.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

BarcosPesca.jpg (106130 bytes)
Av. 5 de Outubro com a Fábrica "Conserveira do Sul" ao fundo, muitas vezes apelidada de "Fábrica Velha" por ter sido a primeira fábrica de conservas (fundada provavelmente em 1881). À direita um braço de mar que foi após 1950 aterrado para dar origem ao Jardim Patrão Joaquim Lopes. Na parte inferior vemos à esquerda um armazém da então Junta dos Portos, e à direita, o que parece ser um poço era, afinal, um urinol.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Ponente1.jpg (94595 bytes)
Av. 5 de Outubro com a Fábrica "Delory" ao fundo (esta foi a Chamada "Fábrica Velha"por ter sido a primeira fábrica de conservas de Olhão, fundada por volta de 1881 por uma grande empresa francesa, os "Établissements F. Delory", com sede em Lorient, na Bretanha). Os seus gerentes foram: Sr. Bézier no início e, por volta de 1911, o sr. Massé que com a sua mulher optou por residir definitivamente em Olhão, tendo as suas filhas casado na nossa terra com olhanenses.

(Foto cedida pelo Sr. João Lázaro)

Delory.jpg (380539 bytes)
Av. 5 de Outubro com vista para a Mercado do Peixe (portanto, já depois de 1915, data da inauguração dos mercados).

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Praças1.jpg (76744 bytes)
Os Mercados na década de 1940 (estes Mercados foram construídos entre 1912 e 1915, numa época em que o ferro estava na moda como material nobre de construção urbana).

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

MercadoPeixe.jpg (25830 bytes)
Os Mercados antes dos aterros para a construção do Jardim Pescador Olhanense. Este Jardim foi inaugurado em 1984. Não sei quando se iniciaram os aterros, mas julgo que esta fotografia datará da década de 1970.
Os Mercados: fotografia tirada da zona onde actualmente se situa o "T".

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Praças2.jpg (65201 bytes)
Pescadores e, ao fundo, os Mercados: fotografia tirada na década de 1950, da zona onde actualmente se situa o "T", antes dos aterros para a construção do Jardim Patrão Joaquim Lopes, que tiveram início no final desta década.
Pescadores e, ao fundo, o "T", antes dos aterros para a construção do Jardim Patrão Joaquim Lopes que tiveram início no final da década de 1950 mas só foi inaugurado em 1967. Vêm-se lanchas e outras embarcações antigas.
Ao fundo, o "T", antes dos aterros para a construção do Jardim Patrão Joaquim Lopes (inaugurado em 1967). Vêm-se várias embarcações antigas, quase todas ainda à vela (lanchas, saveiros, etc.).
O Porto de Pesca foi inaugurado em 1956 mas esta foto datará provavelmente já da década de 1970, porque se avista o edifício Siroco, construído nesta década.
Edifício da Alfândega na década de1910. Este edifício ainda existe no actual Largo Patrão Joaquim Lopes.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Alfandega.jpg (34705 bytes)
Dia de Olhão em 1924 (na época era o dia de S. João, 24 de Junho): este ano foi especialmente comemorado por o Sporting Clube Olhanense ter-se sagrado Campeão Nacional. O dia foi certamente comemorado com provas de natação e outras provas desportivas náuticas. Nesta imagem vemos um atleta do Sporting Clube Olhanense num saveiro perto do "Bate-estacas".
Avenida 5 de Outubro onde se avista apenas o Mercado do Peixe, inaugurado em 1866 mas ainda não se tinha construído o Mercado dos Legumes (iniciados em 1912).
Avenida 5 de Outubro ainda antes da construção do Mercado dos Legumes (iniciados em 1912). Visualiza-se a Alfândega, um pouco à esquerda.
Mercado diário de frutas, hortaliças e frutos secos, ao ar livre, criado em 1871, entre o lado Norte da Igreja Matriz e o então Hotel Franco-Português (em 1899 nasce também aqui um mercado mensal de gado e um mercado semanal de cereais, farinhas, legumes e frutos secos). Estes mercados cessam em 1917, com a inauguração dos actuais Mercados Municipais, junto à Ria.
Pátio central entre os dois Mercados inaugurados em 1916.
Década de 1910: em primeiro plano vemos uma fiada de casas brancas que limita a actual Travessa 18 de Junho (atrás do actual edifício Al-Hain). À direita vemos um barracão que foi o primeiro cinema de Olhão (cinema Apolo) e actualmente tem o prédio do Topa  A seguir, ao longo da Rua 18 de Junho, ainda existe um prédio de 1º andar com sacada de ferro e actualmente forrado a azulejos. Adiante também ainda existe um prédio com dois telhados em bico mas que actualmente tem um destes telhados transformado em varanda. Mais adiante, está um prédio com balaustrada em toda a varanda que foi morada de Zé da Mónica. Vê-se ao fundo uma estrada ladeada de árvores que seria o seguimento da R. 18 de Junho até à actual EN 125. Ao fundo e no centro da fotografia vemos o cemitério já com jazigos e à direita do cemitério a Horta do Pádua com um aqueduto de transporte de água.

(informações fornecidos pelo Sr. Manuel António Farracha e foto retirada de " Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995")

Cubismo.jpg (29527 bytes)
Outro exemplo cubista de Olhão em data incerta, com as suas açoteias e mirantes.
Outro exemplo cubista de Olhão em data incerta, com as suas açoteias e mirantes.
Outro exemplo cubista de Olhão em data incerta, com as suas açoteias e mirantes.
Travessa António Bento (actualmente, uma face lateral do restaurante O Bote, na Avenida 5 de Outubro) na década de 1910.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995
Nota: o local representado nesta fotografia não estava identificado na publicação de onde o tirámos mas foi identificado por Mário Eusébio Afonso, antigo morador da zona)

RDesconhecida.jpg (38078 bytes)
Rua Almirante Reis, perto da cerca do comboio, que se vê ao fundo e à direita.

Actualmente, o friso de casas à esquerda mantém-se, embora quase irreconhecível, porque cada casa está coberta de azulejos diferentes, assim como portas e janelas de alumínio diferentes...

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

RAlmReis.jpg (93695 bytes)
R. Pinheiro Chagas (entre a R. Dr. Alberto Iria e a R. Manuel de Arriaga) no Bairro da Barreta: durante as marés vivas de Setembro o mar invadia estas ruas.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

RPinheiroChagas.jpg (37972 bytes)
Igreja da Soledade.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Soledade.jpg (21728 bytes)
Panorama de Olhão, visualizando-se em baixo os telhados do Compromisso Marítimo e, mais adiante, a Igreja da Soledade.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

Compromisso.jpg (33242 bytes)
Compromisso Marítimo, onde actualmente se situa o Museu da Cidade, no Largo da Restauração, em frente da Igreja Matriz. A porta da esquerda dava entrada à Farmácia. A construção deste edifício finalizou em 1771.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Compromiso.jpg (93140 bytes)
Outra fotografia do Compromisso Marítimo, de um postal que tem o carimbo datado de 7 de Dezembro de 1922.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

CompromissoM.jpg (26276 bytes)
Farmácia do Compromisso Marítimo, por volta de 1938. Os seus funcionários eram da esquerda para a direita: Francisco Elias Martins (neste momento apenas praticante, mais tarde seria ajudante de farmácia), Armando Nunes Figueiredo (ajudante de farmácia), Joaquim José dos Reis júnior (Director Técnico, foi o último farmacêutico do Compromisso), Germano Eurico Pacheco (ajudante), Maria Judite Lopes dos Reis (filha do farmacêutico). A criança poderá ser Rosinha Reis (irmã de Maria Judite Lopes dos Reis).

(Fonte: Villares, João - Olhão e Abílio Gouveia, o homem o historiador o olhanense - Câmara Municipal de Olhão, 1994)

FarmáciaCompromissoM.jpg (84976 bytes)
Plateia do Cine-Teatro de Olhão, anos de 1960.

(Fonte: Villares, João - Olhão e Abílio Gouveia, o homem o historiador o olhanense - Câmara Municipal de Olhão, 1994)

Cine-Teatro.jpg (84518 bytes)
Exterior do Cine-Teatro na Avenida da República no início dos anos de 1950 porque embora vejamos o Cine-Teatro, inaugurado em 1912, foi em 1946 que lá se construíram as 3 portas de entrada visíveis na foto. A atual Caixa Geral de Depósitos ainda não é visível e foi inaugurada em finais da década de 1950.
Largo da Restauração, com a Igreja Matriz à direita. O monumento da Restauração foi colocado em 1932, com a promessa nunca cumprida que iria ainda ser completado posteriormente com a escultura de um caíque em bronze.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

À esquerda temos o edifício anexo à Igreja Matriz, onde actualmente se encontra a secretaria da Igreja Matriz. Este edifício chegou a ser em tempos uma taberna, posteriormente passou a ser a Junta de Freguesia de Olhão e só após o 25 de Abril passou a funcionar como anexo à Igreja.

À direita vemos que ainda não tinha sido construído o Cine-Teatro ou "Cinema Velho", fundado apenas em 1912.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Sacristia.jpg (34691 bytes)
Primeiro troço da Avenida da República (quando ainda se chamava Av. D. Luiz) em data anterior a 1910. Este troço foi construído em 1873, tendo sido colocados 10 candeeiros a petróleo em 1877. Nesta fotografia visualiza-se um destes candeeiros. Só em 1918 aparecem os candeeiros elétricos.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

AvRepublica5.jpg (134820 bytes)
Avenida da República na década de 1910.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

AvRepública6.jpg (23700 bytes)
Avenida da República.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

AvRep2.jpg (74825 bytes)
Avenida da República (certamente antes de 1912, porque não se vê o Cine-Teatro, fundado nesta data). Os candeeiros são a óleo porque a rede elétrica foi inaugurada só em 1918.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

 

AvRepublica5.jpg (62902 bytes)
A Avenida da República engalanada durante a visita do Rei D. Carlos e Rainha D. Amélia, em Outubro de 1897.

(Foto retirada de "Marques, Maria da Graça Maia - O Algarve da antiguidade aos nossos dias: elementos para a sua história - Ed. Colibri, Lisboa, 1999, ISBN 972-772-064-I, p.611")

AvRepública7.jpg (113003 bytes)
A Avenida da República engalanada durante outra visita do Rei D. Carlos e Rainha D. Amélia, em 19 de Junho de 1898.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

D.Carlos.jpg (75641 bytes)
Final da  Avenida da República engalanada durante a visita do Rei D. Carlos e Rainha D. Amélia, em 19 de Junho de 1898.
Avenida da República entre 1900 e 1903, atendendo ver-se em construção o Jardim João Serra (inaugurado com a Estação de Comboios em 1903).

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Avenida da República.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Carnaval de 1940: duas fotos de um carro alegórico sobre a "Casa do pescador olhanense" da responsabilidade da Sociedade Recreativa Olhanense (ou "Recreativa Rica") e uma terceira foto com as crianças que entraram nesse carro, muitas delas já falecidas...

(Fotos cedidas pela minha mãe, Maria Eduarda Paula Brito)

Avenida da República na década de 1950, atendendo que o passeio central já estava empedrado (em 1949) e ainda não tinha sido construído o Palácio de Justiça (inaugurado em 14 de julho de 1963).

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Avenida da República, também na década de 1950.
Avenida da República, na confluência com a R. 18 de Junho, antes de 1960, porque não vemos ainda o actual edifício da Estação dos Correios, inaugurado em 1961.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

R18Junho.jpg (110454 bytes)
Avenida da República, na confluência com a R. 18 de Junho. Vemos o actual edifício da Estação dos Correios inaugurado em 1961.
Avenida da República, com o Jardim João Lúcio à esquerda, no início dos anos de 1950 porque embora vejamos o Cine-Teatro, inaugurado em 1912, foi nesta década de 1950 que lá se construíram as 3 portas de entrada visíveis na foto. A atual Caixa Geral de Depósitos ainda não é visível e foi inaugurada em finais desta década. O Jardim João Lúcio, assim como o busto que lá se encontra, de homenagem ao poeta, foi construído em 1925.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

AvRepublica4.jpg (149479 bytes)
Jardim João Lúcio, no início da Avenida da República. À direita actualmente localiza-se o Centro Comercial Al-Hain. Infelizmente todos estes edifícios foram substituídos por prédios altos.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

JardimJLúcio.jpg (78918 bytes)
Poço Novo, no ano de 1862, construído no final do primeiro Passeio Público em 1835, ou seja, na confluência entre a actual Avenida da República e a Rua General Humberto Delgado (em frente da  Sociedade Recreativa Progresso Olhanense) e encerrado em 1899 devido à má qualidade da sua água. Chamava-se Poço Novo em oposição ao Poço Velho, este situado no final da actual Avenida da República, junto ao Jardim João Serra, e que terá sido construído por volta de 1680.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

AvRep1.jpg (89389 bytes)
Poço das Bombas à esquerda, na Avenida da República. Este poço foi construído em 1890 na confluência da actual Rua das Lavadeiras com a Av. da República. Actualmente existe no local uma pequena fonte luminosa com repuxo e perto há um painel de azulejos de Jorge Timóteo com um desenho do antigo poço.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

PoçoBombas.jpg (22946 bytes)
Avenida da República no dia da queda de um nevão em 1954
EN 125 junto da actual entrada para a Rua do Parque da Ria Formosa no dia do nevão que caiu em 1954
Novamente o Poço das Bombas, na Avenida da República, com alguns aguadeiros (criado em 1890). PoçoBombas2.jpg (241768 bytes)
Aguadeiro: o último terá cessado a sua actividade antes de 1955, data em que se fecharam definitivamente todos os poços públicos de abastecimento. A rede de abastecimento público foi inaugurada em 1953.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Aguadeiro.jpg (88560 bytes)
O último aguadeiro de Olhão, conhecido por Joaquim Aguadeiro (o seu carro encontra-se actualmente no Museu da Pontinha, em Faro).
Jardim João Serra, destruído parcialmente aquando da construção do actual Edifício do Palácio da Justiça (inaugurado em 1963).

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

joãoserra1.jpg (104480 bytes)
Jardim João Serra, com a Estação de Comboios em frente.
Jardim João Serra - final da Avenida da República - com o Poço Velho e o depósito elevado ali construído em 1925.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

joãoserra2.jpg (83530 bytes)
Jardim João Serra com o Poço Velho e o depósito elevado (1925).

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

joãoserra3.jpg (80830 bytes)
Jardim João Serra (anos de 1950). joãoserra5.jpg (171276 bytes)
Jardim João Serra, com o Poço Velho e o Depósito (1925) a partir do qual se iniciou a primeira rede de abastecimento público de água de Olhão.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

joãoserra4.jpg (90706 bytes)
Jardim João Serra, com um aguadeiro que certamente iria encher as suas vasilhas de água ao Depósito.
Rua do Comércio: à direita a saída para a Rua Mouzinho de Albuquerque, em cima à esquerda vê-se o campanário da Igreja Matriz e, no final da rua, a casa onde actualmente é a secretaria desta Igreja.

Esta fotografia terá sido tirada na década de 1920 ou mesmo antes, atendendo que a Rua do Comércio tornou-se pedonal após 1933. Nessa época chamava-se Rua do Rosário.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

RuaRosário.jpg (38672 bytes)
R. do Comércio na década de 1910 (então chamada Rua do Rosário).

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

RRosário1.jpg (37453 bytes)
R. do Comércio na década de 1920 (então chamada Rua do Rosário).

(Fonte: Villares, João - Olhão e Abílio Gouveia, o homem o historiador o olhanense - Câmara Municipal de Olhão, 1994)

RuaComércio2.jpg (77414 bytes)
R. do Comércio em data incerta, provavelmente já na década de 1950.
Paços do Concelho (traseiras do edifício camarário), actualmente a R. Teófilo Braga. Este edifício, à esquerda, foi construído em 1896.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

PaçosConcelho.jpg (99900 bytes)
Vista geral de Olhão, da zona da actual Estrada 125. Vê-se ao fundo a Av. da República e no final a Igreja Matriz. Nesta época ainda não existia a Av. Bernardino da Silva (construída só em 1926).

Na zona central da fotografia vê-se um um comboio a sair da Estação, o que prova que esta fotografia foi tirada após 1904 (data do primeiro comboio).

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

PçAgadir1.jpg (98766 bytes)
Lugar onde actualmente se encontra a  Praça Agadir. Vê-se o início da Av. Bernardino da Silva (construída em 1926) e o antigo Hospital da Nossa Sra. da Conceição à direita.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

PçAgadir2.jpg (119082 bytes)
Avenida Bernardino da Silva
Estação dos comboios (construída de 1903 a 1904). O comboio chegou a Olhão em 1904 e a Vila Real de Sto António em 1906.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Comboio.jpg (82888 bytes)
Estação dos comboios. Só em 28 de Março de 1904 chegou a primeira locomotiva a Olhão, no que hoje em dia se chama "a viagem técnica". A Estação foi inaugurada em 15 de Maio de 1904, quando ali chegou o primeiro comboio para serviço do público.  A partir desse dia passou a haver 6 comboios diários: 2 vindos de Lisboa por Beja e 2 de Olhão para Lisboa (com 1ª, 2ª e 3ª classes); e mais um de Faro para Olhão de manhã, e outro para regresso à tarde (com apenas 2ª e 3ª classes).

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Vista da Av. da República (antiga cancela de passagem ferroviária onde actualmente existe um viaduto) nos anos de 1950, atendendo que o passeio central já estava empedrado (em 1949) e ainda não tinha sido construído o Palácio de Justiça (inaugurado em 14 de julho de 1963).

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Fotografia do Hospital da Nossa Sra. da Conceição, também nos anos de 1950,  tirada do depósito de água do Poço Velho, que se vê na anterior fotografia.

(Foto cedida pela Casa de Fotografia "Algarve" - R. 18 de Junho, nº 33, Olhão)

Hospital da Nossa Sra. da Conceição, iniciada a sua construção em 1-7-1884 com fundos do Compromisso Marítimo e doações particulares, e inaugurado em 24-6-1918. Foi ainda reconstruído e adaptado pela Casa dos Pescadores em 29-7-1945. Na parede do hospital figuram tabuletas com estas informações.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Hospital.jpg (104655 bytes)
Chalé Victoria Saias: fotografia tirada nos anos de 1960. A estradita que se vê na fotografia é a Estrada 125. Este Chalé está em ruínas, sendo possível ainda hoje ver a triste decadência a que chegou ...

(Foto cedida por Maria Nascimento Brito Lata)

Vila Garrocho na década de 1910 (terá pertencido aos descendentes de Manuel Martins Garrocho? mestre do caíque Bom Sucesso que, em 1808, foi avisar o Rei da expulsão das tropas napoleónicas de Portugal?). Este chalé estava implantado no lado oeste da actual Avenida Bernardino da Silva.

(Fonte: Passos, José Manuel Silva - O Bilhete Postal Ilustrado e a História Urbana do Algarve - Caminho, 1995)

VilaGarrocho.jpg (142485 bytes)
Bairro dos Pescadores. provavelmente já na década de 1960.
Clube Verdi, orquestra musical com 23 instrumentos de corda e sopro, criada em Olhão no séc.XIX pelo Dr. José Maria de Pádua, pai, (na fotografia encontra-se escrito Clube Verdi, Olhão, 1º de Janeiro de 1870). 14 anos depois, em 1884, o Dr. Bernardino da Silva, que foi professor do Dr. Francisco Fernandes Lopes desde os seus 12 anos, funda a Academia dos Amadores da Música.

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres; também existente em "Marques, Maria da Graça Maia - O Algarve da antiguidade aos nossos dias: elementos para a sua história - Ed. Colibri, Lisboa, 1999, ISBN 972-772-064-I, pp.463")

ClubVerdi1890.jpg (103642 bytes)
Carroça do lixo ou a carroça da "pipa", ou seja, a carroça que recolhia a urina e as fezes, antes da existência da rede de esgotos (a carroça da pipa desapareceu em 1931 devido à construção dos esgotos iniciada em 1925 pelo então Presidente da Câmara, Capitão João Carlos de Mendonça), e a carroça do lixo só desapareceu no final da década de 1970, quando o Presidente da Câmara Carlos Viegas fez a primeira aquisição de camiões do lixo!!!

(Fonte: Villares, João - Olhão e Abílio Gouveia, o homem o historiador o olhanense - Câmara Municipal de Olhão, 1994)

CarroçaDaCaca.jpg (50487 bytes)
Vendedor de carvão e óleo em 1960 (Fernando Pedro Afonso, em 2014 vivia em França)

(Foto cedida pelo filho, Custódio Afonso)

Mulheres de Bioco

(Foto cedida pela Junta de Freguesia de Olhão - Sr. João Peres)

Biocos.jpg (6789 bytes)

Nota: Muitas destas fotos poderão ser compradas na Moldurolhão - Estrada Nacional 125, nº111, Olhão, frente ao Estádio Padinha, Telef. 289 723 970 ou 917 716 095.

Se tiver fotografias antigas do Concelho de Olhão, e quiser disponibilizá-las nesta página, agradecemos o seu envio, já digitalizadas ou, em alternativa, o seu contacto para olhao@sapo.pt, de forma a combinar-se a entrega para digitalização, após o que as mesmas serão rapidamente devolvidas. Obrigado.

António Paula Brito de Pina